Histórias dos nossos VWs - 15

 _
"O dia que meu Fusca virou Beatle..."
Autor: Eduardo Bonfim
História pubicada no site http://www.thebeatles.com.br em outubro de 2004, na coluna BeatleFics sob o pseudônimo Edmundo Macalé.
Mas você tambem pode conferir esta hitória no Blog http://obaudoedu.blogspot.com
 _

Em agosto de 1969, eu estava em Londres. Como o Brasil atravessava um período muito difícil, resolvi me exilar nestas terras por onde às vezes o tempo parece não passar, mas passa. Na época tinha 22 anos e até então nunca havia sido, nem me sentido como um Beatlemaníaco.

 Mas naquela doce manhã de agosto, mais precisamente no dia 8, aconteceu um fato que mudou bastante minha vida e a forma de ver as coisas. Vivia hospedado na casa de um casal de amigos. Desmond e Molly Jones, numa rua chamada Abbey Road. Nesta rua, ao lado da casa dos meus amigos, havia o famoso estúdio onde os Beatles gravavam todos os seus sucessos.

Desde que cheguei, me acostumei a ver todos os dias um monte de fãs que viviam aglomerados ao lado do muro na árdua tentativa de ver um dos quatro Beatles, ou os quatro. Mas nunca tinha prestado maiores atenções. Pois bem, naquela época eu tinha (e ainda tenho!) um fusquinha branco, ano 1966, placa 28IF.

Levantei bem cedo, pois havia marcado uma entrevista para um possível emprego. Quando saí de casa, tomei um susto! Lá fora havia muito mais fãs do que de costume. Estavam todos muito agitados. Havia também um batalhão de fotógrafos. Indaguei com um vizinho - um certo Mr. Mustard - sobre o que estava acontecendo. Ele me disse que os Beatles iriam fazer uma sessão de fotos para a capa do seu novo álbum. Bem ali, no meio da rua. Me disse também que a polícia havia fechado o trânsito pela próxima meia hora. Meia hora? Não era possível. Iria perder minha entrevista!

Meio chateado e meio descontente, decidi fazer parte daquilo tudo e fui me juntar, curioso, ao bando de fãs para ver o que aconteceria.

Qual não foi minha surpresa ao ver os quatro Beatles sairem do estúdio e formar uma fila indiana bem na beira da calçada, perto de onde eu estava. A tal foto seria tirada quando eles estivessem no meio da faixa de pedestres.

Pelo local onde o fotógrafo deles se posicionou, percebi que naquela foto haveria um coadjuvante muito especial: Meu fusquinha branco estacionado na porta de casa. A sessão não demorou tanto. Mais ou menos uns dez minutos. Eles atravessaram a faixa sete vezes. Indo e vindo. Então o fotógrafo gritou: “Ok. I got it!”.

Os quatro Beatles foram atenciosos com os fãs e distribuíram vários autógrafos antes da polícia liberar o trânsito. Depois, voltaram para o estúdio e a multidão foi se dispersando.
Corri para meu fusquinha e consegui o emprego! Como disse, aquele dia mudou minha vida. Hoje sou um velho Beatlemaníaco e guardo com muito carinho tudo o que se refere a eles.

Principalmente as lembranças. Tenho uma coleção de artefatos maravilhosos, dentre os quais, com certeza, o preferido é meu fusquinha branco que ficou imortalizado na capa do LP Abbey Road.

Aquele disco foi o último dos Beatles como conjunto. Curioso é que se encerra com um verso que significa muito para cada fã: “ E, no final, o amor que você leva é igual ao amor que você faz”. Thanks, Beatles!

 _

 Curiosidades sobre os Beatles...

 _

 
Não existe fã dos Beatles que não saiba das inúmeras histórias e lendas que envolvem a capa do álbum Abbey Road.
Na época da “conspiração” da morte de Paul McCartney, a capa tornou-se a principal “prova” de que o boato era verdade, e o fusquinha uma das peças fundamentais na montagem desse quebra-cabeças.

 
O fusquinha branco modelo 68 com a placa LMW 28IF, depois dos Beatles é o elemento que mais chama atenção na composição da foto.
Segundo a conspiração, LMW significaria: “Linda McCartney Widow” – viúva - e o 28IF – que McCartney estaria com 28 anos “se” estivesse vivo.

 
A única verdade nisso tudo é que o fusca tornou-se ainda mais popular em todo o mundo depois de aparecer na capa do último disco dos Beatles.

 
Depois que Abbey Road foi lançado, a placa do fusquinha foi roubada várias vezes. Muitos afirmam que o carrinho pertencia a um jovem casal sueco que morava bem próximo ao estúdio.
No dia da foto – 8 de agosto de 1969 – os assistentes do fotógrafo Ian Macmillan ainda tentaram tirar o fusquinha do cenário, mas seus todos estavam de férias e ele continuou lá, firme e forte! A foto foi tirada ás 10:30 h.

 
Em 1986, o carro foi vendido em um leilão por 23.000 dólares e atualmente vive em exposição permanente no museu da Volkswagen em Wolfsburg, alemanha.

 

 Fonte: http://obaudoedu.blogspot.com/2010/03/o-fusquinha-da-capa-do-abbey-road.html