Histórias dos nossos VWs - 11

"A teimosia do Marcão"
Autor: Luiz Quibão jr.
História publicada no Grupo Yahoo - Buteco Galaxie

O Eraldo que trabalha comigo á muito tempo, um dia me disse que quando não quisesse mais me daria o Fuscão 71 que ele tinha de presente.

Um belo dia ele chega e fala que o carro era meu, fazia um bom tempo que ele estava parado e depois de conseguir uma vaga na garagem para guardá-lo fomos buscar.

Na primeira tentativa ele não pega, pois como ficou muito tempo parado o carburador literalmente entupiu.

Era novo, mas de um modelo  solex  igual do 1200, só que maior.

Depois de dois dias de tentativas, logo após a saída do Eraldo do serviço resolvemos tirar e levar ao mecânico para limpar, mas eles desenganaram o dito cujo, pois falaram que não tinha reparo e estava completamente entupido.

Bom como não desisto fácil eu trouxe o carburador pra casa e fervi-o com água e sabão de soda com óleo usado que faço aqui, depois de uma boa fervida consigo desentupir e coloco de novo no carro, na hora que vou dar a partida, a bateria dá o ultimo suspiro, bom a terceira tentativa vai por água abaixo.

Compro uma bateria nova e volto pra fazer o transporte dele pra nova casa.

Insiste um pouco e ele pega.

Pouco depois ele já está na casa nova, ao lado da Kiki do Mankinho e do Frank.

Bom faltava um nome pra ele, e como era resmungão teimoso e velho, na hora lembrei-me de um amigo do Galaxie Clube do Brasil, que é uma pessoa muito legal, não é velho nem resmungão, mas criamos esse personagem para ele e não deu outra o Fuscão 71 foi batizado de Marcão!

Ele passou meses no sol e na chuva daí começamos á retirar as coisas de dentro do porta malas que estava lotado, alem de enferrujado, pois tinha um tapete que ficou encharcado.

Bom começam as surpresas tinha até um gravador CCE anos 80  dentro dele, alem do estepe que era roda de SPII que estou esperando oportunidade de entregar ao Claudio da Kirkos Acrílicos que tem um.

Mas o melhor foi que o Leandro pegou gosto pela coisa, pois não gostava de Fusca e eu falava que é o carro que ele vai á faculdade o carinha torcia o nariz.

A coisa mudou quando começamos á desmontar para prepara para ir á funilaria e ele me ajudava.

Um sábado á tarde, eu ele e meu sobrinho Caio fizemos ligação direta pois os chicotes foram todos retirados u tanque era um galão onde seria o banco trazeiro, um extintor grande na frente  e lá vamos nós ao posto lavar o Marcão, que está sem os capôs, os bancos e paralamas, imagina a aventura!

Toda vez que encontro o Caio ele pergunta do Marcão, mas infelizmente ainda não pude começar sua reforma, pois acabei fazendo a reforma em casa pra botar a Mankinho na sala, mas pelo menos ele está bem guardado esperando a vez dele e sabe que é mais um de meus filhos de lata!

E como meu amigo Marcão de carne e osso é um cara muito legal e paciente.

Rafard, 10 de fevereiro de 2011.